25.03.2018, 18:35:17 / #wsf2018

Resistir, construir, lutar

Von Peter Steiniger
O movimento mundial contra a globalização neoliberal comprovou que pode continuar a impulsionar

E, também terminou o Fórum Social Mundial na capital baiana. 19 horas me separam ainda de Berlim, ao embarcar, domingo à tarde, no avião da Azul Linhas Aéreas Brasileiras no Aeroporto de Salvador. Infelizmente, a companhia aérea não é patrocina este blog, mas o nome dela é tão legal. E, linda é também a cidade da Bahia de Todos os Santos, no Nordeste Brasileiro e a qual merece mais atenção do que eu pude dar-lhe durante os únicos cinco dias da minha estadia. Não é fácil dizer adeus ao seu povo caloroso.

Enquanto aguardava o voo para Belo Horizonte, no interior do Brasil – de lá é que começo o regresso ao outro lado do grande charco – um passageiro que reparara no logo do junge Welt no meu computador fala comigo. Albert Lieberg se apresenta para mim e conta que também veio a Salvador para o Fórum Social Mundial e que participou de um evento lá. Sobre como unir forças para uma mudança do sistema. "A mudança de sistema" é também o nome do livro de Lieberg. Apenas alguns dias atrás, tinha tido um anúncio em nosso jornal. Então, por que não um pequeno acréscimo. ”Utopia ou necessidade existencial?” É o subtítulo da obra. Eu aposto em necessidade existencial, então.

O Conselho Internacional do Fórum Social Mundial ainda se reúne no final de semana, mas não é cedo para uma primeira conclusão. Salvador foi um verdadeiro ‘Comeback’. O movimento mundial contra a globalização neoliberal comprovou que pode continuar a impulsionar. Participaram cerca de 1.500 grupos e organizações oriundos principalmente dos países da América Latina, Ásia e África.

A esquerda brasileira utilizou o Fórum Social Mundial como a plataforma para as atuais lutas no país e como teste à sua própria força. Apesar da situação complicada após a mudança de poder em 2016, Salvador correspondeu às expetativas.

Com certeza irão ainda aparecer aqui alguns suplementos sobre o Fórum em Salvador. O meu obrigado vais desde já para todos os que prestaram atenção a este Blog, ou que de alguma forma contribuíram para isso. À redação da casa, e especialmente ao meu colega André Scheer, que dirige nosso departamento de política externa e cujo coração bate por outra América. O mesmo se aplica a Jörg Tiedjen que se fez as correções, e a Roland Wagner que se ocupou das publicações no Twitter e Facebook. Para as pessoas diligentes que se ocupam da nossa campanha de forma a que o junge Welt ganhe mais leitoras e leitores.

Nas páginas web das organizações que contribuíram para o blog pode, ainda, encontrar mais informações sobre o FSM 218 e os eventos realizados pelas organizações da Alemanha e Suíça e demais parceiros. Queremos a mesma coisa: criar um público mais amplo para o Fórum Social Mundial e para as questões importantes lá debatidas. Envio um enorme abraço a todos os novos amigos e amigas de Salvador.

Tradução: Elisa Bogalheiro

Die deutsche Fassung des Beitrages finden Sie hier.


Lesetip abgeben

Artikel empfehlen: